Eco Diagonistica

A importância do uso da saliva como amostra no teste rápido de HIV

A identificação sorológica de anticorpos anti-HIV no sangue consiste no método mais utilizado para diagnosticar a infecção por HIV. No entanto, amostras de fluido oral vem sendo utilizadas com sucesso para o diagnóstico para o HIV.

As glândulas salivares possuem um sistema imunológico local que inclui a produção de IgA, relacionada com o estágio da doença e a IgG predominante no fluido oral. Estes anticorpos são transferidos do sangue circulante para o fluido gengival de modo que, eles possuem toda gama de especificidades dos anticorpos presentes no soro.

A utilização de fluido oral apresenta diversas vantagens, dentre elas:

– Procedimento não invasivo;

– Procedimento indolor;

– Procedimento com maior facilidade e conforto;

– Apresenta baixo risco biológico com coleta mais segura;

– Risco de descarte é minimizado;

– Não interfere em questões culturais (algumas culturas não permite a punção venosa);

– Redução de custos;

– Coleta pode ser realizada em grupos e os pacientes podem ser orientados a realizar a auto coleta.

A infecção deve ser diagnosticada e tratada de maneira adequada e precoce, não permitindo que a imunidade chegue a níveis baixos. Se o diagnóstico for precoce e o paciente procurar auxílio médico, o curso da doença será diferente daquelas pessoas que não sabem da infecção.

Mas lembrem-se que prevenir continua sendo a melhor opção.

Referências bibliográficas:

– Barbosa Júnior, S. A.; Baptista, R. I. A. A; Barbosa, C. N. Fisiologia Comparada do Fluido Oral e suas Principais Aplicações Clínicas. Arq. Ciênc. Vet. Zool. UNIPAR, Umuarama, v. 18, n. 4, p. 259-268, out./dez. 2015.

– Pink, R.; Simek, J.; Vondrakova, J.; Faber, E.; Michl, P.; Pazdera, J.; Indrak, K. Saliva as a Diagnostic Medium. Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub. 153(2). p.103–110, 2009.

– Tamashiro, H.; Constantine, N.T. Serological diagnosis of HIV infection using oral fluid samples. Bulletin of The world Health Organization. 72(1). p.135-143, 1994.

ACOMPANHE A ECO