Eco Diagonistica

Vírus sincicial respiratório (VSR) e infecções humanas por metapneumovírus

Vírus sincicial respiratório (VSR) é um vírus de RNA, classificado como um pneumovírus. Subgrupos A e B foram identificados. VSR é onipresente; quase todas as crianças são infectadas aos 4 anos de idade. Epidemias ocorrem anualmente no inverno ou no começo da primavera em climas temperados. Como a resposta imunitária ao VSR não protege contra reinfecção, a taxa de ataque é de aproximadamente 40% para todas as pessoas expostas. Contudo, anticorpos contra VSR diminuem a gravidade da doença. VSR é a causa mais comum de doença do trato respiratório inferior em crianças pequenas e é responsável por > 50.000 hospitalizações anuais nos EUA em crianças com menos de 5 anos de idade.

Metapneumovírus humano (MPVh) é um vírus semelhante, mas classificado de maneira diferente. A epidemiologia sazonal do MPVh parece ser semelhante à do VSR, mas a incidência da infecção e da doença parece ser substancialmente menor.

Sinais e sintomas

VSR e doença causada por MPVh parecem se manifestar de modo semelhante. As síndromes clínicas mais reconhecíveis são bronquiolite e pneumonia. Essas doenças tipicamente iniciam-se com sintomas respiratórios superiores e febre, progredindo, então, durante vários dias para dispneia, tosse e sibilo e/ou estertores na ausculta do tórax. Apneia pode ser o sintoma inicial de VSR em crianças com < 6 meses de idade. Em adultos saudáveis e crianças mais velhas, a doença é normalmente leve e pode ser inaparente ou só se manifestar como um resfriado comum e afebril. Entretanto, doença grave pode se desenvolver nos seguintes:

Pacientes com < 6 meses de idade, idosos ou imunocomprometidos

Pacientes com doenças cardiopulmonares subjacentes

Diagnóstico

Avaliação clínica

Algumas vezes, testes antigênicos rápidos de lavados ou swabs nasais, PCR por transcrição reversa (PCR-TR) ou cultura viral

A infecção por VSR (e, possivelmente, por MPVh) é suspeitada em lactentes e crianças jovens com bronquiolite ou pneumonia, durante a estação de VSR. Como o tratamento antiviral geralmente não é recomendado, um diagnóstico laboratorial específico é desnecessário para que se tome uma conduta com relação ao paciente. Entretanto, um diagnóstico laboratorial pode facilitar o controle da infecção hospitalar, uma vez que permite o isolamento de crianças infectadas com o mesmo vírus. Testes antigênicos rápidos com alta sensibilidade para VSR e outros vírus respiratórios estão disponíveis para uso em crianças; são utilizados lavados ou swabs nasais. Esses métodos são menos sensíveis em adultos. Ensaios de diagnóstico molecular como PCR-TR melhoraram a sensibilidade e geralmente estão disponíveis como ensaios únicos ou multiplex.

Conheça os testes rápidos da ECO Diagnóstica para detecção do Vírus sincicial respiratório:

RSV ECO Teste

ECO F RSV Ag

 

Tratamento

Cuidados de suporte

O tratamento de infecções por VSR e por MPVh é de suporte e inclui suplementação de oxigênio e hidratação como necessário (ver tratamento da bronquiolite).

Corticoides e broncodilatadores em geral não são úteis e atualmente não são recomendados.

Antibióticos são reservados a pacientes com febre e evidência de pneumonia em radiografia de tórax e suspeita clínica de coinfecção bacteriana.

Palivizumabe (anticorpo monoclonal para VSR) não é eficaz para tratamento.

A ribavirina inalada, uma droga antiviral com atividade contra VSR, apresenta eficácia marginal, é potencialmente tóxica para profissionais de saúde e não é mais recomendada, exceto para infecção em hospedeiro gravemente imunocomprometido. Inúmeras fármacos direcionados à fusão, entrada e replicação virais em adultos e recém-nascidos estão atualmente em desenvolvimento e em ensaios clínicos (1).

Referência ao tratamento

 

1. Heylen E, Neyts J, Jochmans D: Drug candidates and model systems in respiratory syncytial virus antiviral drug discovery. Biochem Pharmacol 127:1–12, 2017. doi: 10.1016/j.bcp.2016.09.014.

 

ACOMPANHE A ECO