Eco Diagonistica

Como identificar ameaça de parto prematuro?

Parto prematuro é uma grave complicação da gravidez que pode ter consequências devastadoras. Embora metade das mulheres grávidas experimentem contrações pré-termo, apenas 20% delas realmente evoluirão para o parto prematuro. O teste Actim Partus é um teste rápido e simples para a identificação de pacientes com risco de parto prematuro.

O que o teste Actim Partus faz?
Basicamente, ele separa o “joio do trigo”, ou seja, identifica que realmente está ou não em trabalho de parto prematuro. Isso é crucial, porque evita procedimentos e internações desnecessárias.

A conduta tradicional para os casos de ameaça de parto prematuro é: verificar contrações, toque vaginal e muitas vezes; internar para observação. Aí que mora o perigo. Muitas vezes a gestante vai ser submetida a vários toques, ultrassom e outras manipulações que podem acabar complicando o quadro. Não esqueçamos da infecção hospitalar.

Como o exame é feito?
Ele é muito simples e pode ser feito no próprio consultório médico, postos de saúde e em lugares remotos.

O médico coleta a secreção do colo do útero por 15 segundos e em poucos minutos terá o resultado: positivo ou negativo.

O resultado negativo do Actim Partus é uma clara indicação de que o paciente não vai ter parto nos próximos 7 – 10 dias. Ela pode ficar tranquila quanto a isso, evitando sofrimento e stress.

ATENÇÃO! O teste Actim Partus só pode ser realizado entre 24 e 34 semanas de gravidez.

Quem deve ser submetida ao teste?
Toda gestante que já teve um parto prematuro anterior.
Toda gestante entre 24 e 34 semanas que apresenta contrações suspeitas de serem o início de um parto prematuro.

Actim Partus – diagnóstico rápido, tratamento certo.
Identifica pacientes com alto risco de parto prematuro;
Resultado negativo exclui claramente a trabalho iminente;
Respostas confiáveis disponíveis em poucos minutos;
Benefícios de custo – internação somente para os casos de verdadeiro trabalho de parto;
Procedimento fácil – sem instrumentação ou formação adicional necessária.

 

Fonte: Telediu

ACOMPANHE A ECO