Febre amarela: não dá mais pra se vacinar para o Carnaval. E aí?

Como demora dez dias até surtir efeito, a vacina não garante proteção para o feriado. Mas há como curtir o carnaval sem correr o risco de ser infectado.

O Carnaval gera um grande movimento de turistas – tanto de brasileiros como de estrangeiros – no nosso país. Mas os casos de febre amarela estão preocupando muitas pessoas. Afinal, como evitar a infecção no feriado sem perder toda a diversão?

seringa05-1

A má notícia: a vacina da febre amarela só garante imunização comprovada após ao menos dez dias da aplicação. Segundo os estudos, esse é o prazo confiável para que o próprio corpo produza anticorpos em níveis suficientes de modo a debelar a doença.

Se considerarmos o sábado (10 de fevereiro) como o primeiro dia da folia, o 31 de janeiro marcaria o limite final de segurança. Ou seja, quem ainda não tomou sua dose não estará totalmente resguardado até o carnaval, mesmo que vá ao posto agora.

Mas antes de cancelar a viagem, convém ficar de olho em um ponto crucial: as cidades que mais atraem foliões não exigem a vacinação. Em outras palavras, os centros urbanos de Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA) não têm casos de infecção. Mesmo as regiões centrais de São Paulo, que ganhou notoriedade no carnaval por causa dos bloquinhos, estão livres da enfermidade.

O maior problema é, de fato, viajar a regiões com indicação da vacina. No Rio de Janeiro, por exemplo, municípios como Valença e Teresópolis demandam cuidado especial – ambos tiveram casos recentemente e estão firmados em áreas com muitas matas.

Lembre-se de que é nessas regiões que circulam os  mosquitos Sabethes e Haemagogus, transmissores da febre amarela no ciclo silvestre – desde 1942 não registramos um caso urbano, passado pelo Aedes aegypti.

Não foi imunizado e pretende tomar banhos de cachoeira ou fazer trilhas em florestas? Então é melhor se certificar com um profissional de saúde de que o vírus da febre amarela não chegou ali.

Clique aqui e confira os municípios de todo o Brasil com recomendação de vacinação.